Home

Advogados Ajudem!!!!?

Sexta-Feira 07/11/2008 um individuo bateu no meu automóvel na traseira as 04:00 da manhã e ligou para o pai dele já que teria que ter ocorrência. O pai dele no momento reconheceu o erro do rebento que era de maior e habilitado e se comprometeu em remunerar o conserto do meu automóvel que ficou com a traseira destruida.O automóvel que o rebento dirigia e bateu no meu era do pai dele. O pai solicitou para que não fossemos a delegacia para não fazer o registro e resolvessemos tudo numa boa. Os policiais (PM)disseram que isso era entre a gente caso não houvesse um pacto entre nós iriamos para a delegacia. Caso eu tenha problemas para receber ( já que não fizemos ocorrência)e ele não executar o pacto e eu quizer aciona-lo na justiça CÍVIL ainda posso? Se puder aciono o motorista que dirigia o automóvel ou pai que não estava na hora do incidente mas é o proprietário? Daria para tentar diminuir o tamanho do meu prejuizo que é de R$ 1.900,000? Tenho as fotos do meu automóvel suplantado, nomes,telefone e endereços do motorista e do pai.

2 respostas

  • Publicada em 2008-11-13 por Anónimo

    Considerando o valor da culpa obrigaçãoá procurar uma JEC Juizado privativo Civel e penetrar uma ação de indenização contra os réus. Não precisa de legisperito, marcam a audiência rapidim e vcs entram num tratado, peça o duplo do que vai gastar alegando perda de tempo, trabalho, compromissos e etc… assim no contrato acaba recebendo o que realmente deseja.

  • Publicada em 2008-11-13 por Anónimo

    Sem ocorrência?????? Já era! Td tem que ser registrado camarada, cada coisa que aconteça ,  se quiser pedir indenização no porvir. Fotos, nomes não adianta muito. Esse tipo de coisa é mto subjetiva pra Justiça.  Pra Justiça td tem que ser comprovado legalmente e demais coisas, sempre registrado em Cartório.  Mas quem sabe o seguro dele pague….se tiver boa fé! Ouuuu contrate um legista e veja no que dá! Mas tenta conversar com ele agora e ficam encima,  fazer o quê?

Utilize o formulário para responder a esta pergunta